Esclarecimentos sobre a imortalidade da alma


 

1.       Os diversos significados de “alma” apresentados na Bíblia.

Muitos têm discutido hoje se ao morrer o ser humano permanece consciente em sua alma ou não. Os Adventistas do Sétimo Dia (grupo pelo qual guardo grande admiração e respeito) e Testemunhas de Jeová, por exemplo, creem que ao morrer o homem não tem consciência, tampouco é levado ao céu nem ao inferno, mas sepultado, fica aguardando o dia da ressurreição. Nós, porém, cremos que ao morrer estaremos com Cristo em nossas almas e espíritos, mas não num estado definitivo, pois só na ressureição do arrebatamento é que teremos corpo, alma, e espírito transformados num corpo glorificado semelhante ao de Cristo Jesus (1 Tess 4.13-17; 1 Co 15.35-55).

O livro de Eclesiastes, por exemplo, é cheio de citações dizendo que findando a vida aqui na terra, não há mais nada a ser feito (Eclesiastes 9.10).  É importante lembrar que o livro de Eclesiastes se trata de um homem filosofando sobre tudo o que “viu” e “debaixo do sol”. O livro trata do homem neste contexto apenas, terreno. Podemos compreender as suas declarações sem problema algum, colocando-as dentro do contexto de tudo o que a Bíblia diz sobre o assunto.

São muitos os textos da Bíblia que tratam sobre a alma, e vários deles diferem no significado da palavra. Por isto não podemos dar a alma uma só definição (sangue, vida, intelecto), pois em outros textos, a palavra acabaria por não ter sentido nenhum. Veja estes textos extraídos da Bíblia Sagrada:

“Da comunidade dos que creram o coração era um, e a alma, uma, e nenhum deles dizia que coisa alguma das que possuía era sua própria, mas tudo entre eles era comum.” Atos 4.32.
Observe que não se aplica aqui nenhuma das definições dadas em outros textos da Bíblia, isto é, sangue, etc. Aqui diz que o propósito deles era o mesmo e que havia solidariedade uns para com os outros, a “alma” deles era uma, assim como o “coração”.

“As vossas luas novas e as vossas festas fixas a minha alma as aborrece...” Isaías 1.14
Aqui este texto se refere a Deus que esta descontente com a procedência do povo de Israel, Deus tem sangue? A vida de Deus é como a nossa? Não. Assim também, temos “alma” como sede do intelecto.

Temos textos que nos apresentam a alma referindo-se ao indivíduo integralmente:

“Todas as almas que saíram da coxa de Jacó eram setenta.” Êxodo 1.5. Observe que “almas” neste texto pode muito bem ser substituído por “pessoas” sem ferir em nada o significado do texto.

2.       Alma como parte integrante do ser humano.

A Bíblia ensina que o homem é composto de três partes distintas: corpo, alma, e espírito. Veja nos textos a seguir:

“O mesmo Deus de paz vos santifique em tudo; e o vosso espírito, alma e corpo sejam conservados completos, irrepreensíveis, para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo.”.
1 Tessalonicenses 5.23.

“Pois a Palavra de Deus é viva, e eficaz, e mais cortante que qualquer espada de dois gumes, que penetra a divisão de alma e espírito, e de juntas e medulas, e pronta para discernir as disposições e pensamentos do coração.”. Hebreus 4.12.
Nesta passagem vemos claramente: alma, espírito e corpo representado por junta se medulas.

Ao morrermos, o nosso corpo vira pó e aguarda a ressurreição, já o nosso espírito e alma permanecem com a mesma consciência fora do corpo. Analise os textos a seguir:

Lucas 16.19.22-23

“Morreu o mendigo e foi levado pelos anjos ao seio de Abraão; morreu também o rico, e foi sepultado. No Hades, estando em tormentos, levantou os olhos e Abraão e Lazaro no seu seio.”

Este texto é erroneamente interpretado como parábola. A pergunta é: onde está escrito que se trata de uma parábola? Jesus em momento nenhum dá a entender que seja, pelo contrário, esta passagem se difere das parábolas na sua construção, e mesmo se fosse uma parábola, pergunte-se: Jesus se utilizaria de uma mentira para ilustrar uma verdade?
Segundo a tradição judaica, havia no Hades uma divisão onde de um lado ficavam os fiéis a Deus em descanso, e do outro, os infiéis em tormentos, daí o motivo de Jesus proferir este ocorrido como o fez. Após a morte de Jesus, os santos do antigo testamento foram levados por Cristo ao céu, para onde todos os santos vão, após a morte e antes da ressurreição. (Ef 4.8-10; 1Pd 3.18-20; Jo 14.1-3).

De qualquer forma, não podemos utilizar apenas um texto para compreender uma doutrina tão importante para nós. Vejamos outras citações da Bíblia:

1 Reis 17.21-22

“Estendeu-se sobre o menino três vezes, e clamou a Jeová, e disse: Ó Jeová, meu Deus, faze que a alma deste menino torne a entrar nele. Jeová ouviu a voz de Elias, e a alma do menino tornou a entrar nele, e reviveu.”
Compare os textos e veja que aqui, a alma é a mesma que lemos em Hebreus 4.12 e 1 Tessalonicenses 5.23. Não é apresentada como o intelecto, nem como o ser como um todo, mas como o que é em essência: a parte indestrutível do homem que resiste à morte do corpo.

Continuando com o nosso raciocínio com base nas escrituras, temos ainda um texto interessante e indispensável a este estudo:

Mateus 10.28:

“Não temais aos que matam o corpo, mas não podem matar a alma; temei, antes, aquele que pode fazer perecer na *Geena tanto a alma como o corpo.”

Lucas 12.4-5:

“Digo-vos amigos meus, não temais aos que matam o corpo e, depois disso, nada mais podem fazer. Mas eu vos mostrarei a quem temer: temei aquele que, depois de matar, tem poder de lançar-vos na *Geena”.

*Geena é uma palavra que se traduz “inferno” em outras traduções.

O texto diz que após a morte do homem, Deus pode lança-lo no inferno. Como seria isto possível se ao morrer o homem deixasse de existir? O texto diz que o homem pode matar o corpo, mas não a alma, isto é, após a morte do corpo a alma continua viva, e só Deus tem poder sobre ela.
3.       O Apóstolo Paulo e a imortalidade da alma

Filipenses 1.20-24:

“... Cristo será engrandecido no meu corpo, quer pela vida, quer pela morte. Pois para mim o viver é Cristo e o morrer é lucro. Mas se o viver na carne resultar em fruto do meu trabalho, não sei então o que hei de escolher. Porém de ambos os lados estou em aperto, por que tenho o desejo de partir e estar com Cristo, pois é muitíssimo melhor; mas o permanecer na carne é necessário por vossa causa.”

2 Coríntios 5.6-8:

“Temos, portanto, sempre bom ânimo e sabemos que, enquanto estamos presentes no corpo, estamos ausentes do Senhor (por que andamos por fé, e não por visão); temos bom ânimo, digo, e antes queremos estar ausentes do corpo, e presentes com o Senhor.”

Paulo diz aos cristãos destas cidades que estando no corpo(com eles) estaria ausente de Cristo, mas estando fora do corpo, estaria já com Cristo.

Em Apocalipse 6.10-11 lemos sobre as almas que clamam por justiça debaixo do altar de Deus. Alguns teólogos comparam este texto com Gênesis 4.10, mas basta ler com calma os dois textos dentro do contexto de cada um para se perceber que são duas situações completamente diferentes.

Luis Paulo Silva

O perfil do verdadeiro discípulo de Jesus.


Introdução

"O discípulo não está acima do seu mestre; mas todo o que for bem instruído será como o seu mestre." (Lucas 6.40)

Jesus antes de subir ao céu, ordenou aos seus discípulos que deveriam fazer outros discípulos de todas as nações (Mt 28.18-20). O cristianismo, foi gerado desta forma e cresceu desta forma, como podemos ver em diversos textos do Novo Testamento. Jesus deu exemplo de como deveria ser realizada a sua grande obra no mundo, quando iniciou seu ministério escolhendo discípulos (Mc 1.14-17) e trabalhando neles para que viessem a repetir o seu trabalho (Jo 15.16).
O texto de Lucas 6.40 foi dito pelo próprio Jesus Cristo, repreendendo aos fariseus que eram mestres, isto é, tinham discípulos aos seus cuidados, mas não estavam preparados para tal, pois cometiam os mesmos erros que eles, quando não piores, isto é, não davam bom exemplo aos seus seguidores e ainda cobravam deles que fossem perfeitos em suas condutas sendo eles mesmos transgressores da lei que ensinavam. Embora o texto em pauta tenha sido referido aos fariseus, o princípio que ele traz é válido e verdadeiro: Um discípulo não pode ser maior que seu mestre, mas se for bem instruído poderá ser ao menos igual à Ele.
Estamos todos nesta escola, onde Jesus é o nosso único mestre (Mt 23.8) e temos irmãos idôneos aos quais Deus nos confia, para que nos ajudem neste processo de aprendizado até que cheguemos a ser como Cristo; varão perfeito (Ef 4.11-13; Rm 8.29)
Veremos a  seguir quatro características que Deus espera, e está pronto a conceder àqueles que foram escolhidos como discípulos de Cristo, lembrando que estamos em processo de crescimento, sendo o próprio Jesus aquele que se responsabiliza pela obra realizada em nossas vidas (Fl 1.6).


Primeira característica: Obediência imediata.


"E Jesus lhes disse: Vinde após mim, e eu farei que sejais pescadores de homens. E, deixando logo as suas redes, o seguiram." Marcos 1.17,18.
Jesus viu aos irmãos Simão e André pescando e os convidou a segui-lo. Os irmãos sabiam o que isto significava: era o convite de um mestre, que os queria ensinar coisas importantes sobre as quais eles não sabiam. Não questionaram o custo desta decisão ou impuseram condições. Apenas obedeceram ao chamado de Jesus imediatamente. Desapegaram-se de suas redes que até então representavam a sua fonte de sustento, e seguiram a Jesus prontamente. 
Deus não exige de nós apenas obediência, mas obediência agora. Não podemos postergar o momento de seguir a Cristo, de aprender mais sobre ele pela Palavra de Deus. Se Deus nos chama agora, é agora que devemos segui-lo. Não devemos nos esquecer de que certo homem ao receber o chamado divino disse ao Mestre: "Deixa que primeiro eu vá enterrar meu pai...", ao que Jesus respondeu duramente , exigindo resposta imediata (Mt 8.21).


Segunda característica: Negar-se a si mesmo.


"E, chamando a multidão com os discípulos, disse-lhes: se alguém quiser vir após mim, negue a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me. Pois quem quiser preservar a sua vida, irá perdê-la; mas quem perder a sua vida por causa de mim e do evangelho, irá preservá-la." (Mc 8.34,35)
Jesus foi enfático ao declarar aos seus discípulos e à multidão que o seguia que a decisão de seguí-lo exigia a negação de seu próprio ego. Seguir a Cristo é colocá-lo em primeiro plano, deixando sonhos e aspirações pessoais para depois. Isto envolve a nossa oração, onde a vontade de Deus e a sua causa são buscados em primeiro lugar (Mt 6.10,33). Oração e jejum estão incluídos neste ponto, pois orar é dispensar tempo para relacionar-se com Deus, e jejuar é deixar de lado as necessidades primárias para conhecer melhor ao Senhor.


Terceira característica: Desejo de se aprofundar no conhecimento de Deus.


"E quando se achou só, os que estavam junto dele com os doze interrogaram-no acerca da Parábola." Marcos 4.10.
Ao ouvir a "Parábola do semeador", uma grande multidão se afastou de Jesus sem tê-la entendido. Alguns discípulos, mais os doze porém não se acomodaram ao ouvir algo que não compreendessem, e receberam o devido esclarecimento da parte do Mestre Jesus.
Tiago diz em sua epístola universal que Deus dá sabedoria aos que lhe pedem, sem acepção de pessoas (Tg 1.5). Deus tem mais conhecimento reservado a quem mais busca e o discípulo de Jesus não pode acomodar-se sem evoluir no conhecimento da Palavra de Deus. Que possamos dizer como o profeta Oséias: Conheçamos e prossigamos em conhecer ao Senhor (Os 6.3).


Quarta característica: Desejo de parecer-se com o seu mestre.

"Para isso fostes chamados, pois Cristo também sofreste por vós, deixando-vos exemplos, para que sigais os seus passos." 1Pedro 2.21.
"Sede meus imitadores, como também eu sou de Cristo." 1 Coríntios 11.1.
"Sede pois imitadores de Deus, como filhos amados." Efésios 5.1.
"O discípulo não está acima do seu mestre; mas todo o que for bem instruído será como o seu mestre." (Lucas 6.40)
Estamos todos neste processo de parecer-se cada vez ais com Jesus. Alguns á chegaram mais longe, outros estão iniciando a sua caminhada de fé, mas o importante é que estejamos todos juntos, ajudando-nos uns aos outros. Paulo pôde dizer "sede meus imitadores", mas não era uma referencia em si, pois devemos imitá-lo na forma como ele imita a Cristo.
Imitar a Cristo é identificar-se com sua vida, sofrimento, humildade, submissão, desapego, oração, amor. Ele é o nosso exemplo excelente, infalível, imutável. Paulo nos orienta pelo Espírito Santo:
"De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus, mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens; E, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz." Filipenses 2:5-8.


Conclusão

Nenhum outro texto além da Bíblia Sagrada poderia ser melhor utilizado aqui, senão "Imitação de Cristo" de Tomás de Kempis em suas primeiras palavras desta obra:
"Quem me segue não anda nas trevas, diz o Senhor (Jo 8,12). São estas as palavras de Cristo, pelas quais somos advertidos que imitemos sua vida e seus costumes, se verdadeiramente queremos ser iluminados e livres de toda cegueira de coração. Seja, pois, o nosso principal empenho meditar sobre a vida de Jesus Cristo.
A doutrina de Cristo é mais excelente que a de todos os santos, e quem tiver seu espírito encontrará nela um maná escondido. Sucede, porém, que muitos, embora ouçam frequentemente o Evangelho, sentem nele pouco enlevo: é que não possuem o espírito de Cristo. Quem quiser compreender e saborear plenamente as palavras de Cristo é-lhe preciso que procure conformar à dele toda a sua vida. "
Que Deus em sua infinita graça e amor nos capacite a sermos como Cristo é.

Pastora, é bíblico?


Este texto traz primeiro a argumentação de certo pastor a quem respeito muito, sobre a ordenação de mulheres na igreja, após traz a minha resposta às citações feitas.

Argumentação do pastor:

A ordenação de mulheres ao pastorado (bem como, ao diaconato e presbiterado) não é uma unanimidade entre as igrejas evangélicas, em algumas denominações há sérias restrições quanto ao ministério feminino, proibindo-as de exercerem cargos de liderança. É uma visão que destoa dos princípios bíblico.

É fato que o Apóstolo Paulo em sua epístola, faz algumas restrições às manifestações das mulheres na igreja, mas, antes de generalizarmos estas recomendações Paulina é preciso que façamos uma analise da situação feminina diante da cultura oriental, ainda hoje, as mulheres são vista como um ser inferior sem voz ativa, eram comercializadas, proibidas de estudarem, saírem às ruas ou mesmo se mostrarem. Esta visão cultural justifica por completo a ação do Apostolo, a igreja carecia de credibilidade diante da sociedade constituída por gentios, a instituição de mulheres como líderes não seria uma atitude sábia à obra missionária.

Na Bíblia encontramos as mulheres exercendo uma série de atividades eclesiais, por exemplo: Servindo na igreja (diaconisas), evangelistas, profetisas, pregadoras, obreiras, etc. Diante de tantos exemplos, é impossível negarmos o chamado e a unção de mulheres ao pastorado. Inclusive, o mover do Senhor é uma realidade em nossos dias, mesmo que não houvesse nenhuma citação na Bíblia endossando o chamado feminino, ainda assim seria aceitável, desde que revelado pelo Espírito Santo de Deus, o verdadeiro edificador da igreja.

Exponho a seguir uma série de atividades exercidas pelas mulheres, veja:

1- Serviram ao Senhor e a Sua igreja:
LC 1.30-38 “ Então o anjo continuou: —Não tenha medo, Maria! Deus está contente com você. Você ficará grávida, dará à luz um filho e porá nele o nome de Jesus. Ele será um grande homem e será chamado de Filho do Deus Altíssimo. Deus, o Senhor, vai fazê-lo rei, como foi o antepassado dele, o rei Davi. Ele será para sempre rei dos descendentes de Jacó, e o Reino dele nunca se acabará. Então Maria disse para o anjo: —Isso não é possível, pois eu sou virgem! O anjo respondeu: —O Espírito Santo virá sobre você, e o poder do Deus Altíssimo a envolverá com a sua sombra. Por isso o menino será chamado de santo e Filho de Deus. Fique sabendo que a sua parenta Isabel está grávida, mesmo sendo tão idosa. Diziam que ela não podia ter filhos, no entanto agora ela já está no sexto mês de gravidez.  Porque para Deus nada é impossível.  Maria respondeu: —Eu sou uma serva de Deus; que aconteça comigo o que o senhor acabou de me dizer! E o anjo foi embora.”
Rm 16.1-6 “Recomendo-vos a nossa irmã Febe, que está servindo à igreja de Cencréia, para que a recebais no Senhor como convém aos santos e a ajudeis em tudo que de vós vier a precisar; porque tem sido protetora de muitos e de mim inclusive. Saudai Priscila e Áqüila, meus cooperadores em Cristo Jesus, os quais pela minha vida arriscaram a sua própria cabeça; e isto lhes agradeço, não somente eu, mas também todas as igrejas dos gentios; saudai igualmente a igreja que se reúne na casa deles. Saudai meu querido Epêneto, primícias da Ásia para Cristo. Saudai Maria, que muito trabalhou por vós.”
Fp 4.3 “E a você, meu fiel companheiro de trabalho, peço que ajude essas duas irmãs. Pois elas, junto com Clemente e todos os outros meus companheiros, trabalharam muito para espalhar o evangelho. Os nomes deles estão no Livro da Vida, que pertence a Deus.”
2Rs 4.9,10 “Ela disse ao seu marido: —Tenho a certeza de que esse homem que vem sempre aqui é um santo homem de Deus. Vamos construir um quarto pequeno na parte de cima da casa e vamos pôr ali uma cama, uma mesa, uma cadeira e uma lamparina. E assim, quando ele vier nos visitar, poderá ficar lá.”
Mt 26.12,13 “O que ela fez foi perfumar o meu corpo para o meu sepultamento.  Eu afirmo a vocês que isto é verdade: em qualquer lugar do mundo onde o evangelho for anunciado, será contado o que ela fez, e ela será lembrada.”

2- Profetizas:
Miriã: Ex 15.20 “A profetisa Míriam, que era irmã de Arão...”
Débora: Jz 4.4 “Débora, mulher de Lapidote, era profetisa...”
Hulda:  2Rs 22.14 “Então, os sacerdotes... foram ter com a profetisa Hulda.”
Noadia: Ne 6.14 “... profetisa Noadia e dos mais profetas ...”
Ana: Lc 2.36 “Havia uma profetisa, chamada Ana...”
Filhas de Felipe: At 21.9 “Ele tinha quatro filhas solteiras que profetizavam.”
3- Juíza Instituída por Deus em Israel:
Débora:
Jz 4.4 “...Era também juíza dos israelitas naquele tempo.”

4- Obreiras:
Priscila: At 18.26 “Ele começou a falar com coragem na sinagoga. Priscila e o seu marido Áquila o ouviram falar; então o levaram para a casa deles e lhe explicaram melhor o Caminho de Deus.” Rm 16.3 “Mando saudações a Priscila e ao seu marido Áquila, meus companheiros no serviço de Cristo Jesus.”
5- Diaconisa:
Febe:
Rm 16.1,2 “Eu recomendo a vocês a nossa irmã Febe, que é diaconisa da igreja de Cencréia.”
6- Evangelistas:
Jo 4. 27-29 “Naquele momento chegaram os seus discípulos e ficaram admirados, pois ele estava conversando com uma mulher... Em seguida, a mulher deixou ali o seu pote, voltou até a cidade e disse a todas as pessoas: —Venham ver o homem que disse tudo o que eu tenho feito. Será que ele é o Messias?”
Fp 4.3 “E a você, meu fiel companheiro de trabalho, peço que ajude essas duas irmãs. Pois elas, junto com Clemente e todos os outros meus companheiros, trabalharam muito para espalhar o evangelho.”
7- Pregando aos judeus no templo:
Ana:
Lc 2.37,38 “e que era viúva de oitenta e quatro anos. Esta não deixava o templo, mas adorava noite e dia em jejuns e orações. E, chegando naquela hora, dava graças a Deus e falava a respeito do menino a todos os que esperavam a redenção de Jerusalém.”
8- Presente na primeira reunião de oração:
At 1.14
“Eles sempre se reuniam todos juntos para orar com as mulheres, a mãe de Jesus e os irmãos dele.”
9- Pastor é um dom:
Ef 4.11
“E ele mesmo concedeu uns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas e outros para pastores e mestres.”
Fica claro que o ofício de pastor é um dom, semelhante ao de profeta, portanto, não há conotação quanto a pessoa ser homem ou mulher. O que realmente é necessário é uma vida santa e pura diante de Deus.
As restrições determinadas por algumas igrejas às atividades das mulheres como líderes, são frutos de entendimento humano, desprovido do mover do Espírito Santo de Deus. O que Deus quer para a Sua igreja verdadeiramente são homens santos, puros e cheios do poder do Espírito, independente do sexo.   
“Vocês, porém, não vivem como manda a natureza humana, mas como o Espírito de Deus quer, se é que o Espírito de Deus vive realmente em vocês. Quem não tem o Espírito de Cristo não pertence a ele.” Rm 8.9


Minha resposta:

Pastor agradeço pela atenção em mandar o arquivo, mas achei bem fraquinho... o autor dá uma mancada logo de início:

“mesmo que não houvesse nenhuma citação na Bíblia endossando o chamado feminino, ainda assim seria aceitável, desde que revelado pelo Espírito Santo de Deus, o verdadeiro edificador da igreja.”

Pergunto: Podemos endossar coisas que a Bíblia não autoriza, caso seja”revelado”? O Espírito de Deus edifica a igreja pela Palavra ou estou enganado?

Outro ponto, ele confunde o anuncio de evangelho com o ensinamento, que do meu ponto de vista são duas coisas diferentes. O impedimento para o pastorado feminino não está ligado ao fato de ela não poder anunciar o evangelho (todo crente, homem ou mulher deve anunciar a Palavra), mas ao fato de Paulo restringir a mulher de ensinar, o que demanda autoridade sobre a igreja.

Veja este trecho, o último do estudo que o senhor me passou:
"Fica claro que o ofício de pastor é um dom, semelhante ao de profeta, portanto, não há conotação quanto a pessoa ser homem ou mulher. O que realmente é necessário é uma vida santa e pura diante de Deus.

As restrições determinadas por algumas igrejas às atividades das mulheres como líderes, são frutos de entendimento humano, desprovido do mover do Espírito Santo de Deus. O que Deus quer para a Sua igreja verdadeiramente são homens santos, puros e cheios do poder do Espírito, independente do sexo."

A Bíblia está cheia de recomendações sobre o proceder dos pastores e obreiros que estão diante do rebanho de Deus, mas nunca vi recomendações a profetas. Imagino que o motivo seja este: O pastor dará conta das ovelhas diante de Deus, o profeta não. Achei muito distorcido comparar o ministério de profeta,com o pastorado. Deus não faz acepção de pessoas para salvar, mas aprendi que o Espírito Santo distribui seus dons conforme quer, às pessoas que quer, e creio que o Espírito age conforme a Palavra de Deus.
Achei muito tendencioso este estudo. A internet está cheia de estudos como este.

Para finalizar veja este trecho escrito sem reflexão, no mínimo:
"O que Deus quer para a Sua igreja verdadeiramente são homens santos, puros e cheios do poder do Espírito, independente do sexo."
Se analisarmos a Palavra de Deus, veremos que santidade, pureza, e ser cheio de Espírito, são características que Deus exige de toda a igreja, não dos obreiros. Mas quando se fala de ministério, é necessário ir além disto, conforme fala a Palavra de Deus:
"Convém, pois, que o bispo seja irrepreensível, marido de uma mulher, vigilante, sóbrio, honesto, hospitaleiro, apto para ensinar;Não dado ao vinho, não espancador, não cobiçoso de torpe ganância, mas moderado, não contencioso, não avarento;Que governe bem a sua própria casa, tendo seus filhos em sujeição, com toda a modéstia (Porque, se alguém não sabe governar a sua própria casa, terá cuidado da igreja de Deus?)." 1 Tim 3.2-5.
Pelo que entendo neste texto, GOVERNAR BEM A PRÓPRIA CASA é condição indispensável, para se cuidar  da igreja de Deus. É cobrado isto daqueles que querem ser bispos. Uma bispa ou pastora pode governar a sua casa? Ou ensinar ao marido? Para se anunciar o evangelho não é necessário ter domínio sobre a casa. ou posição de autoridade, e a mulher deve anunciar as boas novas da salvação. mas ensinar a igreja não depende dos mesmos quesitos.

Algumas pessoas argumentam que as mulheres não estudavam na época e por isto não poderiam ensinar. Discordo, pois Pedro e João eram homens indoutos, e surpreendiam a todos com a sabedoria com que pregavam pois a capacitação vinha do Espírito Santo. Logo,se Deus quisesse, poderia usar também uma mulher como líder na igreja primitiva segundo o seu poder, não sendo barreira para isto a falta de instrução secular dela, pois é o Espírito que ensina. (Atos 4.13; 1 Co 2.13)

Paulo disse que não permitia que a mulher ensinasse ao marido e relata o motivo desta orientação:
"Não permito, porém, que a mulher ensine, nem use de autoridade sobre o marido, mas que esteja em silêncio. Porque primeiro foi formado Adão, depois Eva."  (1 Timóteo 2.12-13)
Isto é, o motivo de a mulher não poder ensinar ao próprio marido, não está relacionado à fatores culturais, mas à sua condição na criação que não é de liderança, mas de ajudadora do líder que Deus lhe deu, o marido. Se a mulher por causa de motivos tão fortes não pode ensinar ao próprio marido, poderia ensinar aos maridos das outras irmãs? À toda a igreja, incluindo o seu próprio marido que estaria contido nela?
Ouvi certa vez o Pr. Paulo Romeiro a quem considero muito, assim como ao amado irmão, dizer que a Bíblia dava apoio para o ministério de ensino às mulheres com base no texto de Tito 2.3-4 que diz: "As mulheres idosas, semelhantemente, que sejam sérias no seu viver, como convém a santas, não caluniadoras, não dadas a muito vinho, mestras no bem; Para que ensinem as mulheres novas a serem prudentes, a amarem seus maridos, a amarem seus filhos...". Sinceramente amado pastor, entendo neste texto que as mulheres devem ensinar à outras mulheres, que sejam menos experientes nos afazeres de mães e esposas. Não vejo aqui referência a reuniões da igreja, nem que este ensinamento seja o mesmo que foi proibido em outras cartas. Sendo assim, este texto não invalida os outros dois, pois estão em perfeita harmonia. Além disto, esta orientação é somente para as mulheres experientes, idosas e não para todas as mulheres.

Para finalizar, o autor nem cita os textos bíblicos nos quais Paulo proíbe a mulher de ensinar ou falar "na igreja", apenas passa batido, isto me pareceu desonesto com o ensinamento da Palavra de Deus, que deve ser feito mostrando todos os pontos.

Pastor XXXXX, adquiri vários DVD's do senhor e admiro muito a sua sabedoria ao ensinar, me ajudou muito. Fico triste somente pelo fato de o senhor não ter mais tempo para me ajudar nestas questões, caso eu esteja errado. Espero que não pense que já tenho opinião formada sobre o tema, estou expressando o que entendi dos textos citados até agora, mas o Pr. pode me ajudar a entender certo se eu estiver errado. Minha posição é de aluno e respeito muito o senhor.

Alguns links interessantes:

Como será a volta de Cristo?


A Segunda Vinda de Cristo, a ressurreição dos mortos e o fim do mundo.

A Segunda Vinda de Cristo ocasionará a ressurreição de todos os mortos pela sua voz, os justos para a salvação pelo arrebatamento, e os ímpios para destruição e juízo eternos.
Atos 1.9-11:
E, quando dizia isto, vendo-o eles, foi elevado às alturas, e uma nuvem o recebeu, ocultando-o a seus olhos.
E, estando com os olhos fitos no céu, enquanto ele subia, eis que junto deles se puseram dois homens vestidos de branco.
Os quais lhes disseram: Homens galileus, por que estais olhando para o céu? Esse Jesus, que dentre vós foi recebido em cima no céu, há de vir assim como para o céu o vistes ir.
Hebreus 9.28:
Assim também Cristo, oferecendo-se uma vez para tirar os pecados de muitos, aparecerá segunda vez, sem pecado, aos que o esperam para salvação.
1 Tessalonicenses 4.16-17:
Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro.
Depois nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor.
1 Coríntios 15.51:
Eis aqui vos digo um mistério: Na verdade, nem todos dormiremos, mas todos seremos transformados;
Num momento, num abrir e fechar de olhos, ante a última trombeta; porque a trombeta soará, e os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados.
 Estes textos revelam que Jesus virá nas nuvens, assim como por elas foi oculto em sua ascensão, e nesta ocasião se dará o arrebatamento da igreja. O texto ressalta que os que morreram em Cristo terão primeiro lugar na ressurreição. Isto é, depois serão ressuscitados os ímpios, não para serem arrebatados, mas para serem julgados e condenados, sofrendo assim a ira de Deus.
É importante também ressaltar que a ressurreição dos salvos e perdidos acontecerá no último dia. Isto fica claro em vários textos da Bíblia. A grande pergunta é: Se a ressurreição (de Lázaro, o amigo de Jesus e de todos aqueles que guardaram a Palavra de Deus) ocorrerá no último dia, sobrará tempo para algum acontecimento posterior a isto aqui na terra? Veja as citações bíblicas:


João 6.39,40,44,54:
E a vontade do Pai que me enviou é esta: Que nenhum de todos aqueles que me deu se perca, mas que o ressuscite no último dia.
Porquanto a vontade daquele que me enviou é esta: Que todo aquele que vê o Filho, e crê nele, tenha a vida eterna; e eu o ressuscitarei no último dia.
Ninguém pode vir a mim, se o Pai que me enviou o não trouxer; e eu o ressuscitarei no último dia.
Quem come a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia.
João 11.24:
Disse-lhe Marta: Eu sei que há de ressuscitar na ressurreição do último dia.
João 12.48:
Quem me rejeitar a mim, e não receber as minhas palavras, já tem quem o julgue; a palavra que tenho pregado, essa o há de julgar no último dia.
João 5.28-29:
Não vos maravilheis disto; porque vem a hora em que todos os que estão nos sepulcros ouvirão a sua voz.
E os que fizeram o bem sairão para a ressurreição da vida; e os que fizeram o mal para a ressurreição da condenação.
O texto diz que “todos” os que estão nos sepulcros. A ressurreição de justos e ímpios se dará no mesmo dia, sendo que os justos ressuscitarão primeiro para que sejam arrebatados, e livrados da destruição do mundo, assim como Noé foi salvo das águas pela arca, e como Ló foi salvo da destruição de Sodoma. Hoje, a igreja de Cristo prega a mensagem do Evangelho e muitos zombam, e desprezam a Palavra de Deus, mas no Dia do Senhor, isto é, na volta de Jesus, haverá juízo para os que não o receberam, mas a igreja será livrada.
Lucas 17.24-36:
Porque, como o relâmpago ilumina desde uma extremidade inferior do céu até à outra extremidade, assim será também o Filho do homem no seu dia.
Mas primeiro convém que ele padeça muito, e seja reprovado por esta geração.
E, como aconteceu nos dias de Noé, assim será também nos dias do Filho do homem.
Comiam, bebiam, casavam, e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca, e veio o dilúvio, e os consumiu a todos.
Como também da mesma maneira aconteceu nos dias de Ló: Comiam, bebiam, compravam, vendiam, plantavam e edificavam;
Mas no dia em que Ló saiu de Sodoma choveu do céu fogo e enxofre, e os consumiu a todos.
Assim será no dia em que o Filho do homem se há de manifestar.
Naquele dia, quem estiver no telhado, tendo as suas alfaias em casa, não desça a tomá-las; e, da mesma sorte, o que estiver no campo não volte para trás.
Lembrai-vos da mulher de Ló.
Qualquer que procurar salvar a sua vida, perdê-la-á, e qualquer que a perder, salvá-la-á.
Digo-vos que naquela noite estarão dois numa cama; um será tomado, e outro será deixado.
Duas estarão juntas, moendo; uma será tomada, e outra será deixada.
Dois estarão no campo; um será tomado, o outro será deixado.
Jesus afirma primeiro, que sua vinda será de conhecimento universal. A figura que ele usa é um relâmpago que sai de uma extremidade da terra e aparece em outra (veja também Mt 34.27).
Em segundo lugar Jesus compara a sua vinda com os dias de Noé e de Ló. As pessoas viviam suas vidas em pecados e esquecidas de Deus, mas ao entrar Noé na arca, o dilúvio veio e destruiu a todos, e ao sair Ló, o fogo consumiu aquela terra. Assim também a ira de Deus é aplacada pelo amor que tem ele pelos fiéis em nosso planeta. Assim que a Igreja de Cristo  for retirada deste mundo, a destruição total ocorrerá e semelhante aos dias de Noé e de Ló, a justiça de Deus se cumprirá naqueles que não obedeceram ao Evangelho de Cristo.
Em terceiro lugar, Jesus afirma que ninguém será esquecido neste dia. Onde estiver um salvo, haverá surpresa, pois será tomado para Deus, para que a ira de Deus recaia sobre o mundo. Isto explica o que disse Jesus: “estarão dois numa cama; um será tomado, e outro será deixado.”. Isto se refere aos maridos que têm esposas não crentes, e esposas que têm maridos não crentes.
2 Tessalonicenses 1.7-10:
E a vós, que sois atribulados, descanso conosco, quando se manifestar o Senhor Jesus desde o céu com os anjos do seu poder,
Como labareda de fogo, tomando vingança dos que não conhecem a Deus e dos que não obedecem ao evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo;
Os quais, por castigo, padecerão eterna perdição, ante a face do Senhor e a glória do seu poder,
Quando vier para ser glorificado nos seus santos, e para se fazer admirável naquele dia em todos os que crêem (porquanto o nosso testemunho foi crido entre vós).
Observe que Paulo sabendo disto conforta os crentes aos quais foi direcionada esta carta, dizendo que o descanso da Igreja se dará quando Jesus vier desde o céu com os anjos do seu poder, e ele vem para se vingar daqueles que não obedeceram ao Evangelho, e perseguiram os crentes em Jesus. Note que o arrebatamento e o castigo dos ímpios estão sempre ligados à segunda volta de Cristo. É lógico que se Jesus vem para destruir o mundo com todos os ímpios, e isto será alívio para a Igreja, ela não participará de tal destruição, mas será tomada do mundo no arrebatamento.
Mateus 16.27:
Porque o Filho do homem virá na glória de seu Pai, com os seus anjos; e então dará a cada um segundo as suas obras.
Judas 14,15
E destes profetizou também Enoque, o sétimo depois de Adão, dizendo: Eis que é vindo o Senhor com milhares de seus santos;
Para fazer juízo contra todos e condenar dentre eles todos os ímpios, por todas as suas obras de impiedade, que impiamente cometeram, e por todas as duras palavras que ímpios pecadores disseram contra ele.
Lucas 21.25-27
E haverá sinais no sol e na lua e nas estrelas; e na terra angústia das nações, em perplexidade pelo bramido do mar e das ondas.
Homens desmaiando de terror, na expectação das coisas que sobrevirão ao mundo; porquanto as virtudes do céu serão abaladas.
E então verão vir o Filho do homem numa nuvem, com poder e grande glória.
Apocalipse 1.7:
Eis que vem com as nuvens, e todo o olho o verá, até os mesmos que o traspassaram; e todas as tribos da terra se lamentarão sobre ele. Sim. Amém.
Mateus 26.63-64
Jesus, porém, guardava silêncio. E, insistindo o sumo sacerdote, disse-lhe: Conjuro-te pelo Deus vivo que nos digas se tu és o Cristo, o Filho de Deus.
Disse-lhe Jesus: Tu o disseste; digo-vos, porém, que vereis em breve o Filho do homem assentado à direita do Poder, e vindo sobre as nuvens do céu.
A volta de Jesus e a conseqüente destruição do mundo, revelará todas as obras dos homens. Os ímpios ressuscitados de todas as épocas verão a Jesus na sua vinda e sentirão pavor por vê-lo. “Todo olho verá, até mesmo os que o transpassaram” quer dizer que na volta de Jesus mesmo os soldados e as pessoas que gritaram em alta voz: “crucifica-o”, estarão vivos de novo para sofrer a condenação que Deus preparou para eles.
1 Coríntios 3.13:
A obra de cada um se manifestará; na verdade o dia a declarará, porque pelo fogo será descoberta; e o fogo provará qual seja a obra de cada um.
2 Pedro 3.10-13:
Mas o dia do Senhor virá como o ladrão de noite; no qual os céus passarão com grande estrondo, e os elementos, ardendo, se desfarão, e a terra, e as obras que nela há, se queimarão.
Havendo, pois, de perecer todas estas coisas, que pessoas vos convém ser em santo trato, e piedade,
Aguardando, e apressando-vos para a vinda do dia de Deus, em que os céus, em fogo se desfarão, e os elementos, ardendo, se fundirão?
Mas nós, segundo a sua promessa, aguardamos novos céus e nova terra, em que habita a justiça.
A vinda de Jesus e o julgamento final ocorrerão num mesmo momento segundo as palavras do próprio Jesus. Esta é a paga por todas as obras dos homens:
Mateus 25.31-41,46:
E quando o Filho do homem vier em sua glória, e todos os santos anjos com ele, então se assentará no trono da sua glória;
E todas as nações serão reunidas diante dele, e apartará uns dos outros, como o pastor aparta dos bodes as ovelhas;
E porá as ovelhas à sua direita, mas os bodes à esquerda.
Então dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: Vinde, benditos de meu Pai, possuí por herança o reino que vos está preparado desde a fundação do mundo;
Porque tive fome, e destes-me de comer; tive sede, e destes-me de beber; era estrangeiro, e hospedastes-me;
Estava nu, e vestistes-me; adoeci, e visitastes-me; estive na prisão, e fostes ver-me.
Então os justos lhe responderão, dizendo: Senhor, quando te vimos com fome, e te demos de comer? ou com sede, e te demos de beber?
E quando te vimos estrangeiro, e te hospedamos? ou nu, e te vestimos?
E quando te vimos enfermo, ou na prisão, e fomos ver-te?
E, respondendo o Rei, lhes dirá: Em verdade vos digo que quando o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes.
Então dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos;
E irão estes para o tormento eterno, mas os justos para a vida eterna.

Quando Jesus voltar e tomar a sua igreja em todo o mundo, este será desfeito diante da sua presença com tudo o que existe nele e os mortos serão julgados conforme as suas obras, e serão lançados no lago de fogo. Depois será cumprido o que o apóstolo Pedro citou: “Mas nós, segundo a sua promessa, aguardamos novos céus e nova terra, em que habita a justiça.” Conforme leremos a seguir:
Apocalipse 20.11-15:
E vi um grande trono branco, e o que estava assentado sobre ele, de cuja presença fugiu a terra e o céu; e não se achou lugar para eles.
E vi os mortos, grandes e pequenos, que estavam diante de Deus, e abriram-se os livros; e abriu-se outro livro, que é o da vida. E os mortos foram julgados pelas coisas que estavam escritas nos livros, segundo as suas obras.
E deu o mar os mortos que nele havia; e a morte e o inferno deram os mortos que neles havia; e foram julgados cada um segundo as suas obras.
E a morte e o inferno foram lançados no lago de fogo. Esta é a segunda morte.
E aquele que não foi achado escrito no livro da vida foi lançado no lago de fogo.
Apocalipse 21.1-4:

E VI um novo céu, e uma nova terra. Porque já o primeiro céu e a primeira terra passaram, e o mar já não existe.
E eu, João, vi a santa cidade, a nova Jerusalém, que de Deus descia do céu, adereçada como uma esposa ataviada para o seu marido.
E ouvi uma grande voz do céu, que dizia: Eis aqui o tabernáculo de Deus com os homens, pois com eles habitará, e eles serão o seu povo, e o mesmo Deus estará com eles, e será o seu Deus.
E Deus limpará de seus olhos toda a lágrima; e não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, nem dor; porque já as primeiras coisas são passadas.

Um lugar para Cristo - Reflexão baseada no hino 481 da Harpa Cristã

A história que a Bíblia narra sobre Jesus, mostra que em quase todos os momentos de sua vida, ele foi rejeitado pela maioria. Isaísas disse: "Era desprezado, e rejeitado dos homens; homem de dores, e experimentado nos sofrimentos; e, como um de quem os homens escondiam o rosto, era desprezado, e não fizemos dele caso algum"(Is 53.3).
Ao nascer, José e Maria procuraram nas pousadas de Belém algum lugar onde pudessem passar a noite, e o único lugar que encontraram foi uma estrebaria. Por isto disse Paulo em Filipenses 2.9:

"Tende em vós aquele sentimento que houve também em Cristo Jesus, o qual, subsistindo em forma de Deus, não considerou o ser igual a Deus coisa a que se devia aferrar, mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, tornando-se semelhante aos homens; e, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo".

Durante o seu ministério, Jesus não tinha onde reclinar a cabeça. Por muitas vezes teve de fugir por causa dos judeus que o queriam matar. Poucas vezes foi Jesus recebido com alegria.
Em sua morte, Jesus não tinha um sepulco, precisou ser sepultado num de José de Arimatéia, e mesmo o pano no qual foi enrrolado não era seu.

No livro de Apocalipse Jesus diz: "Estou à porta e bato...". Esta mensagem foi escrita à uma das sete igrejas que estavam na Ásia e não à alguém que não conhecia a Cristo. Isto mostra que mesmo pessoas que frequentam igrejas e têm uma vida religiosa muitas vezes deixam Jesus do lado de fora.

Analise que Jesus não fez questão de nascer num palácio, ou de andar em nobres cavalos durante seu ministério. Jesus não se preocupou em comprar um sepulcro, mas quando se refere ao coração do homem, ele bate à porta, faz questão de estar lá.
Alguns benefícios acompanham aqueles que em suas vidas acolhem o Filho de Deus, pois como diz a Palavra de Deus, quem recebe a Jesus se torna também filho de Deus:

"Estava ele no mundo, e o mundo foi feito por intermédio dele, e o mundo não o conheceu.
Veio para o que era seu, e os seus não o receberam.
Mas, a todos quantos o receberam, aos que crêem no seu nome, deu-lhes o poder de se tornarem filhos de Deus" (João 1.11-12)
"Respondeu-lhe Jesus: Se alguém me amar, guardará a minha palavra; e meu Pai o amará, e viremos a ele, e faremos nele morada." (João 14.23)

Jesus não teve lugar no mundo, mas promete um lugarespecial, à todos que o recebem e que fizerem de seus corações a morada de Deus:

"Não se turbe o vosso coração; credes em Deus, credes também em mim.
Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito; vou preparar-vos lugar.
E, se eu for e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos tomarei para mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também.
E para onde eu vou vós conheceis o caminho.
Disse-lhe Tomé: Senhor, não sabemos para onde vais; e como podemos saber o caminho?
Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim." (João 14.1-6)

O sacrifício que Deus espera de nós

ROMANOS 12


1 Rogo-vos pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos como um sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional.


O sacrifício era feito de diversas formas e ocasiões. Normalmente em reconhecimento à superioridade de autoridades ou divindades.
No meio do povo judeu, era realizado principalmente como meio de obter expiação de pecados. Expiação significa pagar a dívida. Dívida esta que só poderia ser paga com a morte, de um animal perfeito segundo as orientações encontradas na Lei de Moisés.
O sacrifício do antigo pacto era provisório e apontava para a obra de Cristo em restaurar a comunhão do homem com Deus por meio do perdão concedido por graça àqueles que se aproximam de Cristo com fé no seu sacrifício.
Neste texto porém, é ordenado que se oferecessem sacrifícios a Deus, mas não nos moldes antigos. O sacrifício neste texto tem um sentido de adoração a Deus, "que é o vosso culto racional". Já não temos aqui animais mortos pelos pecados do homem, mas o próprio homem, vivo, negando aos prazeres do mundo a fim de agradar àquele que é digno de tal: Deus.
Mesmo nos tempos antigos Deus já havia manifestado a sua vontade, que mais importante era para ele o homem sacrificar a sua vontade andando em santidade, do que pecando viesse a oferecer animais mortos. O salmo 50 fala muito claramente sobre isto:

"Ouve, povo meu, e eu falarei; ouve, ó Israel, e eu te protestarei: Eu sou Deus, o teu Deus.
Não te repreendo pelos teus sacrifícios, pois os teus holocaustos estão de contínuo perante mim.
Da tua casa não aceitarei novilho, nem bodes dos teus currais.
Porque meu é todo animal da selva, e o gado sobre milhares de outeiros.
Conheço todas as aves dos montes, e tudo o que se move no campo é meu.
Se eu tivesse fome, não to diria pois meu é o mundo e a sua plenitude.
Comerei eu carne de touros? ou beberei sangue de bodes?
Oferece a Deus por sacrifício ações de graças, e paga ao Altíssimo os teus votos."

Não há nada na face da terra que não pertença ao Senhor, pois "do Senhor é a terra e toda a sua plenitude" (Sl 24), logo, como lhe daríamos presentes? Não se pode presentear a alguém com algo que já é seu. É esta a essência deste texto. Se tudo o que existe pertence a Deus, o que então não lhe pertenceria, para que sabendo pudéssemos lhe oferecer? a resposta está no Salmo 51, versos 16 e 17:

"Pois tu não te comprazes em sacrifícios; se eu te oferecesse holocaustos, tu não te deleitarias.
O sacrifício aceitável a Deus é o espírito quebrantado; ao coração quebrantado e contrito não desprezarás, ó Deus."

O que Deus não tem é o louvor que não louvamos, a oração que não fizemos, a adoração que não prestamos, o amor que não ofertamos, este é o verdadeiro sacrifício que Deus almeja receber de nós, e pode ser oferecido sem derramamento de sangue, mas para o homem em muitos casos é mais fácil oferecer tudo o que tem do que quebrantar-se em seu coração.


Resposta às Testemunhas de Jeová: Todo joelho de dobrará ao nome de Jesus?

Características divinas de Cristo no Apocalipse.(Cap. 1,2,3.)

Encontramos no livro do Apocalipse algumas características divinas atribuídas a Jesus:

A onipotência de Cristo é expressa em declarações como:
Ap 1.7-8; 1.17-18; 2.8 (comparar estes textos com Is 44.6; 48.12); Ap 4.8, 22.12-16.

A onisciência de Jesus é declarada nos seguintes versos:
Ap 2.23 (comparar com Sl 139).

Compare Ap 1.7 com Mt 16.27; 26.63,64. Este é o cumprimento da profecia encontrada em Zc 12.10;14.5.

Adoração a Jesus no Apocalipse (Cap. 4,5)

Nestes capítulos, João é arrebatado em espírito e tem uma visão do céu, onde vê um trono branco, e o Pai assentado sobre o trono. Os personagens que fazem parte desta cena adoram ao que está assentado sobre o trono com as seguintes palavras:
"Santo, Santo, Santo é o Senhor Deus, o Todo Poderoso, que era, e que é, e que há de vir." (Cap 4,verso 8)
Jesus é apresentado como o "Senhor, que é, e que era, e que há de vir,Todo Poderoso" no cap 1.8. Agora estas características são atribuídas ao Pai.

A adoração ao Pai continua nos seguintes termos: "os animais davam glória, o honra e ações de graças ao que estava assentado sobre o trono, ao que vive para todo o sempre"(4.9). A expressão "vive para todo o sempre" não é equivalente a "nunca irá morrer" ou "imortal", pois neste caso cada anjo mereceria este mesmo título, antes disto, expressa a eternidade de Deus, assim como vimos em 4.8, mostra que Deus é eterno, isto é, não tem início nem fim. Esta expressão "vive para todo o sempre" é usada com relação a Jesus em 1.17-18, onde ele acrescenta que é o Primeiro e o Último, uma forma de apresentar-se como um ser eterno não criado, logo, criador.

No capítulo 5 de Apocalipse, Jesus é apresentado como o Cordeiro, pois este trecho mostra o impacto que teve a morte de Cristo no mundo espiritual, e como foi honrado diante de todos os seres existentes.

Vemos em 5.8: "prostraram-se diante do Cordeiro, tendo todos eles harpas e salvas de ouro cheias de incenso, que são as orações dos santos". Prostrar-se é uma forma de adoração, compare com Exodo 20.4-5; Mateus 4.9-10.

Em continuação, os seres espirituais e depois todas as criaturas da terra adoram ao Pai e ao Cordeiro. O Cordeiro é digno de receber a mesma adoração dada no cap 4.11. Veja: "era o número deles milhões de milhões e milhares de milhares, que com grande voz diziam: Digno é o Cordeiro, que foi morto, de receber o poder, e riquezas, e sabedoria, e força, e honra, e glória, e ações de graça. E ouvi toda a criatura que está no céu e na terra, e debaixo da terra, que está no mar, e a todas as coisas que neles há, dizer: Ao que está assentado sobre o trono e ao Cordeiro sejam dadas ações de graças, e honra e glória e poder para todo o sempre." Veja que não é dirigida a adoração somente ao Filho, nem somente ao Pai neste texto, mas a ambos e nos mesmos termos. A Palavra de Deus diz que devemos honrar ao Filho, assim como honramos ao Pai (Jo 5.23), pois ambos são capazes dos mesmos feitos.
A leitura cuidadosa deste texto do Apocalipse fa compreender com mais clareza o texto de  Filipenses 2.9-11. A TNM traduz "em nome de Jesus", mas vemos que a adoração em Ap 5.13, é dirigida a Jesus, e não somente ao Pai através de Jesus, como a TNM tenta distorcer. Este texto fala de reconhecimento ao Cordeiro, é o cumprimento da profecia de Isaías 45.23.

Jesus como Filho, se submete ao Pai.

Muitos usam textos que apresentam a Jesus se submetendo ao Pai, entendendo que isto muda algo em sua essência, mas este argumento falacioso se desfaz quando analisamos o texto de 1 Coríntios 11.3 que diz: "Quero porém, que saibais que Cristo é a cabeça de todo homem, o homem a cabeça da mulher, e Deus a cabeça de Cristo."
A Bíblia diz que o homem é a cabeça da mulher, mas isto não faz a mulher menor que o homem em essência, em natureza, mas apenas no que se refere à hierarquia. Assim também o Pai é maior do que o Filho em hierarquia mas não em essência.
Isto foca claro, por exemplo em João 5.17-30, onde ao mesmo tempo que Jesus diz que é o Pai quem o ensina, ele diz que "tudo quanto ele faz, o Filho faz igualmente". Isto inclui ressucitar mortos, julgar o mundo. Pergunta a alguém que crê que o Pai é Deus mas que Jesus não o é: Quem pode dar a vida a alguém que já morreu? A resposta com certeza será "Deus", mas a Bíblia diz claramente que "assim também o Filho vivifica aqueles que quer". Isto é, Jesus tem poder de trazer à vida quem ele quiser, ele tem total autonomia sobre a vida e a morte.

Dizer que que Jesus é o Filho de Deus, não dá a ele apenas um título, como crêem alguns que dizer ser Jesus um anjo exaltado. Jesus é Filho de Deus por que compartilha da mesma essência do Pai, e tem as mesmas capacidades.
Os Judeus consideravam uma blasfêmia alguém referir-se como filho de Deus nos termos que Jesus usava, pois segundo o pensamento deles, um filho teria a mesma natureza do pai, logo, o filho de Deus deveria ser também Deus. Este foi o motivo por que quiseram apedrejar a Jesus. Leia atentamente o texto de João 5.17-19; 8.41; 8.54-59.

Estudo com base em João 1.15 a 1.19

João 1.15 a 1.19

Atrelados à este texto, leremos Col 1.18-18 e Fl 2.6-8

Pontos a serem comentados:

vs.15: João reforça o que disse até então, citando o testemunho de João Batista, que foi segundo a Bíblia o último e maior dos profetas(Lc 7.28). Este mesmo foi quem testificou antes do Apóstolo João, que Jesus é criador e não criatura.

vs.16,17: "Todos nós recebemos da sua plenitude". "Nós" refere-se àqueles que o receberam (a Jesus), tornando-se assim filhos de Deus por direito outorgado pelo próprio Deus.Fomos adotados por Deus quando recebemos o Espírito Santo (Rm 8.15; 9.4; Gl 4.5) e esta adoção resulta no recebimento de bênçãos espirituais (Ef 1.3-5). Esta escolha, adoção, e recebimento das bênçãos de Deus é um favor imerecido, que a Bíblia chama de "Graça", neste texto, "graça sobre graça". Plenitude significa "completar, encher ao máximo", e recebe um sentido mais claro com a declaração do verso 17, que não menospreza o valor que teve a lei, mas explica que Jesus traz a revelação final, ele completa, cumpre (Mt 5.17) o que antes era imperfeito e provisório conforme Hebreus capítulos 3-10.

vs. 18: Este verso é usado por alguns desatentos como argumento para dizer que Jesus não é Deus, pois foi visto, e Deus não. A própria Bíblia diz que Deus foi visto no AT (Ex 24.10; Is 6.1). O que este texto diz é entendido claramente: Deus nunca foi visto espiritualmente em sua completa glória, conforme Ex 33.20; 1 Tm 6.16.

Em Cl 1.15 lemos que Jesus é "a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação". Aqui temos dois pontos importantes. O homem foi feito à imagem e semelhança de Deus, mas Jeus não é a imagem de Deus no mesmo sentido. "Imagem" neste texto significa "protótipo", um exemplo da aplicação desta palavra é a imagem refletida do sol na água. Não é algo parecido, semelhante, mas aquilo que é igual e reflete.

Um ponto usado também por seitas heréticas, é dizer que "primogênito de toda a criação" que dizer que Jesus seja criatura de Deus. Primogênito, conforme o próprio contexto, quer dizer que Jesus é a causa e objetivo da criação. Alé disto vemos que na linguagem bíblica, primogênito não significa "primeiro criado" como supõe alguns,veja os textos: Ex 4.22; Sl 89.27; Jr 31.9 e Hb 12.23. 

Alguns textos selecionados pela Igreja Adventista do Sétimo Dia para fundamentar suas doutrinas


Lc 23.54-56:
Era o dia da preparação, e ia começar o sábado.
E as mulheres que tinham vindo com ele da Galileia, seguindo a José, viram o sepulcro, e como o corpo foi ali depositado.
Então voltaram e prepararam especiarias e unguentos. E no sábado repousaram, conforme o mandamento.

Este texto fala sobre a guarda do sábado pelas mulheres que seguiam a Jesus. Até Jesus cumpriu os mandamentos, isto é evidente pois ele nos os veio destruir, mas cumprir. Ocorre que não há referências à guarda do sábado por cristãos após a ressurreição de Jesus, quando começou uma nova aliança de Deus com os homens, nova aliança esta que suplanta a primeira.

Mt 5.17-19:
Não penseis que vim destruir a lei ou os profetas; não vim destruir, mas cumprir.
Porque em verdade vos digo que, até que o céu e a terra passem, de modo nenhum passará da lei um só i ou um só til, até que tudo seja cumprido.
Qualquer, pois, que violar um destes mandamentos, por menor que seja, e assim ensinar aos homens, será chamado o menor no reino dos céus; aquele, porém, que os cumprir e ensinar será chamado grande no reino dos céus.

Jesus diz que não veio destruir. De fato a leis não foi destruída por ele, mas finalizada no seu tempo determinado. A lei não foi criada para durar eternamente, mas como um meio provisório, até que cristo viesse, e cumprindo a lei antiga, iniciasse um novo tempo muito melhor e pleno.
Além disse, Jesus fala "não vim destruir, mas cumprir" e logo depois diz que ninguém poderá violar a lei até que tudo seja "cumprido". Jesus "cumpriu" a lei, e como ela já foi "cumprida" não estamos mais sobre o jugo dele, pois a lei só tinha efeito até que fosse "cumprida".

Lv 11.7:
...e o porco, porque tem a unha fendida, de sorte que se divide em duas, mas não rumina, esse vos será imundo.

Este texto fala sobre alimentos considerados imundos pela lei, que foi abolida por Cristo. Deus deu estes mandamentos visando a saúde física do povo, então quem quiser seguir esta orientação faz muito bem, porém a salvação não depende destas observância como dependia anteriormente no antigo pacto.

Ex 31.16-17:
Guardarão, pois, o sábado os filhos de Israel, celebrando-o nas suas gerações como pacto perpétuo. ,
Entre mim e os filhos de Israel será ele um sinal para sempre; porque em seis dias fez o Senhor o céu e a terra, e ao sétimo dia descansou, e achou refrigério.

 Diz que o sábado deve ser guardado pelos FILHOS DE ISRAEL perpetuamente, para sempre.Leia Gênesis 17.13, onde diz que a circuncisão é pacto perpétuo também. Conheço muitos adventistas que guardam o sábado por que o sábado segundo eles é um pacto perpétuo de Deus com o homem, então por que não se cincuncidam também, já que a mesma Bíblia diz que a circuncisão é também um pacto perpétuo???


Em Cristo,

Luis Paulo Silva

Deus tem mãe? A verdade sobre Maria - Parte 2

Mesmo nos dias de Jesus o diabo já tentava desviar a adoração e honra de Cristo para a sua mãe. Jesus, porém, jamais permitiu ou foi conivente. Pelo contrário, sempre deixou claro que a prioridade no reino dos céus pertence àqueles que procuram viver conforme a sua santíssima palavra.
Veja o que diz o Evangelho de Lucas 11.27-28:


"E aconteceu que, dizendo ele estas coisas, uma mulher dentre a multidão, levantando a voz, lhe disse: Bem-aventurado o ventre que te trouxe e os peitos em que mamaste. Mas ele disse: Antes bem-aventurados os que ouvem a palavra de Deus e a guardam."

É lamentável que semelhante aos fariseus, muitos líderes religiosos que são cegos conduzindo a outros cegos, preferem guardar a sua tradição ao invés de obedecer à Palavra de Deus.

LPS