Pages

"...pois este também é filho de Abraão." - Parte 1

Queridos visitantes, esta mensagem o Senhor fez chegar ao meu coração em ocasiões distintas, focalizando pontos diferentes da passagem referida, por isso, decidi escrevê-la aqui em duas partes. Tenham uma boa leitura e que o Espírito do Senhor fale fortemente em vossos corações.


Aprendendo com Zaqueu, o publicano. (Lucas 19. 1- 10)

A Palavra de Deus diz que Deus criou os loucos para confundir os sábios, e as coisas que não são para confundir as que são (1 Coríntios 1.27-29).

Nós temos o hábito de tirar conclusões sobre as pessoas a partir daquilo que vemos nelas, e de acordo com a nossa convivência com elas vamos criando uma ideia mais clara de quem são as pessoas que nos cercam.

Nunca poderemos conhecer alguém inteiramente, e isto por que não conhecemos nem a nós mesmos de forma completa, sendo assim, é impossível desnudar o nosso ser a quem quer que seja; exceto a Deus. Sempre iremos nos surpreender (Salmos 139).
Quando Davi estava diante de Samuel, este último só viu um garoto ruivo, magricela, simpático, mas com nenhuma característica daquelas que se encontra num outro rei.

Talvez o rei que Samuel procurava, estivesse ali, entre os irmãos de Davi, mas o rei que Deus queria pôr sobre Israel estava fazendo poesias no campo, enquanto cuidava fielmente das ovelhas de seu pai.

Quando lemos o Novo Testamento, encontramos duas histórias completamente diferentes; Um jovem cumpridor da lei, e de muitas qualidades, e um baixinho, cobrador de impostos sem valor algum para o povo de Deus.
O primeiro se aproxima de Jesus elogiando-o, "bom Mestre..." o que por Jesus é logo reprovado. Depois ele revela o seu interesse em desfrutar de vida eterna, mas logo percebe que está muito apegado a esta vida para trocá-la por outra qualquer. Este jovem revelou suas prioridades quando Jesus mandou que vendesse tudo o que tinha e desse aos pobres. Poderemos falar mais deste rapaz, numa outra oportunidade.
Pouco tempo depois, a Palavra cita outro homem, Zaqueu, o publicano.

Zaqueu não tinha muito do que se gabar, e não ousou sequer tentar romper a multidão onde Cristo estava, pois sabia que não teria chance com a sua pequena estatura.

A partir daí, começo a extrair algumas lições muito importantes, pois Zaqueu superou as dificuldades e não teve vergonha de fazer o que ninguém fazia. Ele não se vitimizou, não culpou a Deus pela sua dificuldade, mas se concentrou em encontrar uma solução para estar com Jesus.

Zaqueu poderia muito bem desistir de encontrar-se com Cristo, afinal, tudo conspirava contra ele, mas a Bíblia diz que ele subiu numa figueira brava, e esta, possui espinhos em seu tronco. Diferente deste homem de fé, vemos muitas pessoas que deixam de ir à casa de Deus por causa dos espinhos que envolvem a caminhada rumo ao Senhor. Não se importe se no lugar onde Deus te direcionou a estar, as pessoas não te valorizam, ou façam comentários chatos sobre você. Estas mesmas pessoas vão ter que ver Jesus entrando na sua vida, curando a sua família, e fazendo milagres através de você, em nome de Jesus.

Zaqueu sendo um homem de posição, não se envergonhou de subir numa árvore como um garoto. Subiu e ficou aguardando a passada do Mestre. Se quisermos nos encontrar com Cristo, precisamos deixar de lado a vergonha e a timidez.
Alguém disse certa vez: "se quiser ser diferente da maioria, faça o que a maioria não faz".

Por que, dentre uma multidão, só Zaqueu foi chamado pelo nome e recebeu a visita do Senhor? Por que, dentre uma enorme multidão que apertava a Jesus, apenas uma mulher conseguiu "extrair" virtude do Mestre?

Zaqueu não se envergonhou de deixar sua posição e subir na árvore para ver Jesus, e Jesus não se envergonhou de entrar na casa de Zaqueu, mesmo sendo criticado pelos fariseus.

Quando nos esforçamos para ver a Jesus, não nos envergonhamos de deixar tudo para trás, e quando renegamos o nosso ego pra estar com Ele, ele não apenas visita nossa casa, mas faz morada eterna em nosso coração.

Às vezes é preciso deixar de lado a pastinha de doutor, o diploma da faculdade, os títulos que outros dão a você, para poder se encontrar verdadeiramente com Jesus.

O jovem rico, embora cumprisse os mandamentos, e fosse perfeito aos olhos dos homens, não tinha um coração entregue a Deus.
Zaqueu, embora tido como pecador tinha no seu íntimo a vontade de ser transformado pelo poder de Deus.

Não esqueçamos a parábola do fariseu o do publicano, onde um "jogava na cara" as coisas que fazia para Deus, e o publicano apenas batia em seu peito, achando que não era merecedor de Deus. O publicano saiu exaltado e o fariseu humilhado, por que o Senhor não dá méritos a ninguém. Numa época onde se prega o triunfalismo, devemos ensinar que, se queremos mesmo estar com Jesus, o caminho certo é a humilhação (1 Pedro 5.6).

Em Cristo,

Luis Paulo Silva.

"...pois este também é filho de Abraão." Parte 2

Lucas 19. 7 -10
"E, vendo todos isto, murmuravam, dizendo que entrara para ser hóspede de um homem pecador.
E, levantando-se Zaqueu, disse ao Senhor: Senhor, eis que eu dou aos pobres metade dos meus bens; e, se nalguma coisa tenho defraudado alguém, o restituo quadruplicado.
E disse-lhe Jesus: Hoje veio a salvação a esta casa, pois também este é filho de Abraão.
Porque o Filho do homem veio buscar e salvar o que se havia perdido."

Gal 3. 6,7 e 26
Assim como Abraão creu em Deus, e isso lhe foi imputado como justiça.
Sabei, pois, que os que são da fé são filhos de Abraão.
Porque todos sois filhos de Deus pela fé em Cristo Jesus.

Zaqueu era discriminado pela sua profissão. Zaqueu prestava serviço à Roma como chefe dos cobradores de impostos que eram considerados ladrões, e se fossem judeus, eram considerados traidores. Zaqueu era rico. Agora o ponto mais marcante na vida deste homem: Zaqueu era necessitado da salvação.
Ao observar a mesa, os judeus não entenderam, mas estava ali uma representação clara do Reino de Deus; O publicano sentado num lugar de honra, ao lado de Jesus, enquanto um jovem cumpridor da lei, aparentemente perfeito a essas horas já estava em sua casa, pois mesmo tendo falado com o Mestre e ouvido o seu sábio conselho, mostrou que a sua prioridade não era estar com Cristo, mas desfrutar das riquezas que possuía. Este jovem estava dividido entre Deus e Mamom, entre Jesus, o Cristo, e o dinheiro, mas Zaqueu não...

"E, levantando-se Zaqueu, disse ao Senhor: Senhor, eis que eu dou aos pobres metade dos meus bens; e, se nalguma coisa tenho defraudado alguém, o restituo quadruplicado." ( Lc 19.8)"

É claro que Jesus não queria o dinheiro de nenhum dos dois personagens, mas sabia que o jovem tinha seu coração nas riquezas, e isso impediria a sua salvação, embora toda a sua conduta fosse perfeita, e sabia que Zaqueu já tinha seu coração em Cristo, e isto não o impedia de ser rico.
Quem quer se entregar a Jesus, tem que entregar tudo.
O que faz de um homem, um filho de Abraão? Cumprir a lei ou ter a esperança em Cristo?
Os fariseus diziam ser filhos de Abraão, mas João disse a eles que Deus podia levantar até das pedras filhos a Abraão.
O jovem de qualidades cumpria a lei, portanto, não roubava, não matava, não desrespeitava os seus pais, enfim, ele não pecava mas também não fazia mais nada.
Zaqueu pecava, porém subiu numa figueira para ver o mestre sem se importar com o que pensariam dele. Zaqueu não teve vergonha de ir até Jesus, e Jesus não teve vergonha de ir até Zaqueu.
Aprendo então, que crer é melhor do que aparecer, e ser é melhor do que parecer. Enquanto estivermos como fariseus, limpando o exterior do copo até ficar impecável, sem se preocupar com o seu interior, nunca teremos a aceitação que teve aquele publicano que batia no seu peito e chorava reconhecendo os seus pecados, e que não era digno de nada.
Luis Paulo Silva.