Pages

A ARTE DE FAZER NASCER DE NOVO

"É necessário que você nasça de novo Nicodemos!" Quantas vezes preguei sobre o tema!

Maria me procurou e disse: "Preciso aceitar a Cristo e sinto que deve ser feito logo!". Num culto de domingo a Maria foi à frente, ao som do "apelo " e em lágrimas estava lá, confessando crer em Cristo e sentindo os seus pecados.
Mais tarde pude dizer na tentativa de encorajá-la, o quanto servir a Deus é maravilhoso ao que me foi respondido: "Eu já estou sentindo isto há um tempo..".
Há semanas, tive a oportunidade de falar sobre Cristo com ela. Falamos sobre oração, idolatria, responsabilidade pessoal, arrebatamento, juízo, e outros temas que o Senhor direcionava, e no final ao fazer uma oração, podia sentir a confirmação de Deus para a palavra ministrada. Fomos à igreja uma, duas, três, quatro, e enfim, ela se rendeu!

Jesus disse a Nicodemos que ele necessitava de um nascimento espiritual. Este nascimento não pode existir apenas pela vontade humana, mas havendo disposição da parte do ser humano, Deus o faz acontecer. É o maior milagre, pois muda o espírito do homem, coisa que ninguém faz, haja vista as casas de recuperação, sistemas prisionais, e tantos outros "jeitos" que a sociedade inventa na tentativa de mudar a atitude das pessoas com problemas na sociedade.

No dia em que Maria se rendeu a Cristo, havia ouvido a mensagem pregada por um ex-presidiário, que tinha dado um testemunho de libertação realmente lindo acompanhado de uma palavra de conscientizarão evangelística. Ele dizia algo assim: "Aqui está quente, mas lá fora existe almas com frio!"

O que me chama a atenção é a forma como Deus faz isto, com quem ele faz isto e por que ele faz isto. Nicodemos resistiu ao chamado de Jesus, o mancebo de qualidades também o fez e pior ainda, sequer voltou atrás depois. Eles eram bons de mais para Deus, mas não do ponto de vista de Deus.

Compreendo o motivo pelo qual Jesus sempre era visto com as prostitutas, publicanos, cegos, leprosos, e outras pessoas completamente desprezadas e acusadas perante a sociedade do seu tempo. Era com essas pessoas que ele queria estar, e era com Ele que elas gostavam de estar pois uma vez estando com Ele, algo mudava por dentro, e esta mudança se refletia em suas fisionomias, e em todos os campos de suas vidas. Mas os bonzinhos viviam tão bem as suas rotinas de jejuns, sacrifícios, leituras da Lei, que pouco tinham o que mudar no seu exterior.

A mulher samaritana é um exemplo lindo. Mal conhecia a Cristo com a sua mente, mas a revelação do Espírito em seu espírito já era o suficiente para anunciar tudo o que sabia sobre Jesus, ao contrário de muitos que embora tendo um grande conhecimento , a ninguém anuncia boa nova alguma. Se contenta em pregar sermões em sua congregação com pretensão de parecer mais sábio, ou mais espiritual. Eis aí a primeira marca de quem realmente nasce de novo: O desejo de anunciar as boas novas! Os feitos de Deus mesmo que só saiba por enquanto o que ele fez em sua própria vida!

Zaqueu o publicano, pouco conhecia de Jesus, mas subiu numa árvore para poder vê-lo, e depois de recebê-lo com prazer em sua casa, se prontificou a entregar metade dos seus pertences aos pobres e restituir quatro vezes mais, caso tivesse cobrado algum valor a mais de alguém ao passo que Nicodemos foi se encontrar com Jesus à noite para não ser visto pelo demais companheiros fariseus e o mancebo de qualidades se entristeceu pois amava mais ao conforto do mundo do que o sofrimento de seguir o mestre. Eis ai mais uma marca na vida de quem se encontrou com Jesus um dia: Quem nasceu de novo não nasceu para gozar conforto aqui, mas abre mão do pecado, de tudo o que for preciso por amor a Cristo e não tem vergonha de se expor e correr risco por amor ao Evangelho de Cristo.

Jesus não prefere os "piores" mas os piores em algum momento acabam preferindo Jesus, pois entendem mais rápido que precisam dele. Jesus Cristo nunca amou aos pecados, mas sempre viu em muitos pecadores a humildade prontidão que acolhia o seu desejo de salvá-los e sua missão dava certo sempre.

Pensemos nisto. É possível que estejamos enganados quando dizemos que somos salvos se não vivemos estes requisitos citados.

Para a reflexão dos amados amigos e irmãos,

Luis Paulo Silva.