Pages

O problema da crítica


Navegando pela blogosfera, observei uma coisa que me deixou pensativo. Parece que muitos irmãos se dedicam tanto em defender a Palavra ou a fé, que se esquecem de divulgar a Palavra e a fé.
Não estou dizendo que não é importante refutar os abusos, maus costumes que escandalizam o mundo, o comércio na igreja, etc. Mas penso que quando isto se torna o foco da nossa atenção na maior parte do tempo nos tornamos aptos a tropeçar nas próprias palavras pois criticar pode virar um vício. Além disto, pode este vício nos impedir de ver as coisas boas nas pessoas.
É claro que as qualidades não cobrem defeitos e maiores defeitos não justificam os menores, mas tenho certeza de que vale a pena procurar as qualidades e focar nelas e aprender com elas.
Por exemplo: Será que todos os irmãos que criticam os que vão ao monte orar oram tanto quanto estes? Podemos ver diferente; o cristão pode orar onde quiser, e se ele se sente bem no meio do mato pra clamar até ficar rouco, quem sou eu para julgá-lo? Mas se o leitor me perguntar o que penso sobre isto, direi que a igreja é o lugar mais adequado para orar, mas Deus o ouve onde quer que esteja.
O mesmo penso sobre campanhas. Ninguém pode estipular um prazo para Deus fazer algo, ou sequer exigir que ele faça algo. Mas acho louvável e coerente a atitudes de irmãos que oram durante semanas por um propósito específico, mas sem aquelas superstições de "não pode quebrar a campanha". Campanha ao meu modo de ver e na minha prática é um propósito de oração por uma necessidade específica em um lugar específico por um período de tempo específico, e pronto. Depois deste período, posso continuar orando por este motivo, mas individualmente.
Deus nos chamou para edificar e não para derrubar.
Existem pessoas que precisam ser corrigidas duramente e outras que precisam ser ensinadas, é preciso perceber isto melhor.
Quando pensar em criticar alguém, pense: O que estou fazendo para mudar esta situação? Qual é o meu objetivo, ajudar ou criticar por criticar somente?

Em Cristo,
Luis Paulo Silva.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O seu comentário é muito importante, fique a vontade mas sempre que possível, deixe assinado o seu nome.